Monthly Archives: novembro, 2015

Associação

Renata integra diretoria da Associação Brasileira de Fornecedores de Medicamentos

novembro 30th, 2015 Posted by Sem categoria No Comment yet

A empresária Renata Galiotto, sócia proprietária da Empresa Ciamed, de Encantado, foi empossada como vice-presidente da Associação Brasileira de Fornecedores de Medicamentos (ABFMED). A entidade está sediada na cidade de São Paulo, com atuação em âmbito nacional. A posse da atual diretoria ocorreu no mês de outubro passado.

 

Fonte: Jornal Opinião

medicamentos

Orientação Técnica Informa: Qualidade na distribuição de medicamentos

novembro 30th, 2015 Posted by Sem categoria No Comment yet

A cadeia dos produtos farmacêuticos abrange as etapas de produção, distribuição, transporte e dispensação.

CRF-RS: Orientação Técnica Informa: Qualidade na distribuição de medicamentos

De acordo com a Portaria n° 802/98, que Institui o Sistema de Controle e Fiscalização em toda a cadeia dos produtos farmacêuticos, as empresas autorizadas como distribuidoras têm o dever de fornecer produtos farmacêuticos apenas a empresas autorizadas/licenciadas a dispensar estes produtos no país; abastecer-se exclusivamente de empresas titulares do registro dos produtos; utilizar serviços de transporte legalmente autorizados pela autoridade sanitária e somente efetuar transações comerciais através de notas fiscais nas quais conste o número dos lotes dos produtos farmacêuticos. Cabe ressaltar que a referida Portaria também determina que as empresas interessadas em desenvolver atividades de distribuição por atacado de produtos farmacêuticos devem contar com farmacêutico responsável técnico.

O Anexo II da Portaria n° 802/98 estabelece diretrizes de Boas Práticas de Distribuição de Produtos Farmacêuticos, sendo que um dos objetivos é impedir que produtos falsificados, adulterados ou roubados, cheguem à população. Os distribuidores, por serem um dos agentes da cadeia do medicamento, são também responsáveis pela segurança e pela saúde da população. Por esse motivo se faz necessária a manutenção do registro de todas as transações e operações de entrada e saída de produtos farmacêuticos no comércio atacadista.

As empresas responsáveis por cada uma das etapas da cadeia dos produtos farmacêuticos são solidariamente responsáveis pela qualidade e segurança dos medicamentos que comercializam. Assim, é de extrema importância que, em suas transações, certifiquem-se da identidade dos produtos, bem como obtenham garantias da procedência dos medicamentos adquiridos. O Código de Ética Farmacêutica corrobora com o estabelecido na Portaria n° 802/98, pois determina que o farmacêutico, durante o tempo em que permanecer inscrito em um Conselho Regional de Farmácia, deve recusar o recebimento de mercadorias ou produtos sem rastreabilidade de sua origem, sem nota fiscal ou em desacordo com a legislação vigente. A inobservância desse item do Código de Ética é considerada infração ética e disciplinar grave sujeita a pena de suspensão.

Fontes: Portaria n° 802/98, Resolução CFF n° 596/14

Fonte: http://crfrs.org.br/portal/pagina/noticias-detalhes.php?idn=1683

RESISTENCIA

Cientistas descobrem mutação que fortalece ainda mais as bactérias

novembro 24th, 2015 Posted by Sem categoria No Comment yet

Um grupo de cientistas anunciou a descoberta de uma mutação genética que fortalece as bactérias. Isso quer dizer que superantibióticos produzidos hoje podem não ser suficientes pra vencê-las.

A Organização Mundial da Saúde diz que duas em cada três pessoas ainda acham que para curar uma gripe é preciso antibiótico. E, pior, uma em cada três acha que pode parar de tomar o antibiótico quando já está se sentindo bem.

Tudo errado. E o uso equivocado desses remédios em pessoas e a utilização indiscriminada na criação de animais para consumo humano vêm aumentando a resistência dos micróbios.

Erros assim contribuem para o alerta da pesquisa chinesa: depois de um século salvando milhões de vida, a era próspera dos antibióticos está ameaçada. Centenas de milhares de pessoas em todo o mundo morrem anualmente infectadas pelas chamadas superbactérias. A última linha de proteção hoje em dia é um antibiótico com princípio ativo chamado colistina.

“A colistina é atualmente a única opção de tratamento para pacientes infectados com bactérias super-resistentes”, diz Yohei Doi, médico da universidade de Pittsburgh e um dos autores do estudo.

Agora surgiu a ameaça de que ela se torne ineficaz. Os cientistas detectaram uma mutação genética que causa resistência à colistina e que é facilmente transmitida entre bactérias comuns.

As bactérias resistentes foram encontradas em porcos tratados com o antibiótico na China, em amostras de carne de porco crua e também em 16 pacientes que estavam em tratamento por infecção.

A doutora Jean Patel é diretora da agência do governo americano para o controle de doenças. Ela diz que a descoberta dessa mutação na China gera uma grande preocupação para o mundo. Mas que a ameaça ainda está contida.

Fonte: G1 – Jornal Nacional

Fonte: http://www.cff.org.br/noticia.php?id=3306&titulo=Cientistas+descobrem+muta%C3%A7%C3%A3o+que+fortalece+ainda+mais+as+bact%C3%A9rias

Foto: http://pt-br.infomedica.wikia.com/wiki/Resist%C3%AAncia_Bacteriana_a_Antibi%C3%B3ticos

omeprazol

Hábito de tomar medicamento para azia traz riscos

novembro 17th, 2015 Posted by Sem categoria No Comment yet
O hábito faz parte da rotina de muita gente. Para comer e beber sem moderação e não sentir a incômoda azia, é cada vez maior o número de pessoas que usa os chamados “inibidores da bomba de prótons”, disponíveis no mercado com nomes como omeprazol, pantoprazol e lansoprazol, entre outros. As pílulas – facilmente encontradas nas farmácias e até em unidades básicas de saúde – são ingeridas diariamente para eliminar o mal-estar que vem do aparelho digestivo.

 

A adesão ao hábito de tomar medicamento para não sentir azia reflete na movimentação do mercado de medicamentos. As vendas dos produtos classificados na categoria “inibidores da bomba de prótons” cresceram 6,3% nos últimos 12 meses, passando de R$ 918 milhões, movimentados entre julho de 2013 e junho de 2014, para R$ 976 milhões, entre julho de 2014 e junho de 2015, conforme informações da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), a partir de levantamento realizado pela empresa IMS Health. Especialistas alertam que o costume pode trazer riscos à saúde, pois o uso indiscriminado pode mascarar sintomas de doenças mais graves, como o câncer.

 

Jaime Natan Eisig, médico assistente doutor da disciplina de Gastroenterologia Clínica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), explica que estes medicamentos são indicados para aliviar sintomas de quem tem a doença do refluxo gastroesofágico (DRGE). “É a doença orgânica mais prevalente do tubo digestivo”, diz.
O “refluxo” é causado principalmente por hábitos alimentares inadequados, o que inclui horários irregulares e consumo de alimentos que provocam os sintomas, além de características como obesidade e estresse. “Cada vez mais indivíduos referem sintomas sugestivos de DRGE”, acrescenta.
Para identificar a doença e iniciar o tratamento, a endoscopia é o exame indicado. “É um procedimento que auxilia no diagnóstico das esofagites e está disponível em qualquer centro do País, acessível a muitos pacientes”, afirma, lembrando que o aumento de casos diagnosticados também eleva o consumo do medicamento.
O médico alerta, porém, que a facilidade em adquirir os “inibidores” devido a falta de exigência de receita médica incentiva o consumo dos mesmos para aliviar qualquer sintoma de azia. Esse hábito, segundo ele, pode mascarar a médio e longo prazo o desenvolvimento de doenças mais sérias, como esofagites severas. “O paciente acha que o medicamento vai resolver o problema, mas a longo prazo pode ser prejudicado pela falta de um diagnóstico mais correto. Além disso, pode estar fazendo uso de um medicamento que nem sempre está indicado para os sintomas que apresenta.”
Rogério Hoefer, farmacêutico do Centro Brasileiro de Informação sobre Medicamentos (Cebrim) do Conselho Federal de Farmácia (CFF), reforça que o uso de “inibidores da bomba de prótons” sem prévio diagnóstico e acompanhamento de um médico pode esconder sintomas. “É possível atrasar o diagnóstico e tratamento adequado de doenças graves, como o câncer do estômago, por exemplo”, alerta.
O farmacêutico lembra que esta classe de medicamentos é indicada também no tratamento de outras doenças em que é necessário diminuir a hiperacidez do estômago, como úlcera e gastrite. “O uso prolongado, porém, está associado ao aumento do risco de câncer do estômago, infecções intestinais, pneumonia e anemia por deficiência de vitamina B12″, adverte.
Eisig explica que, antes de tomar qualquer medicamento, é aconselhável procurar o médico sempre que houver sintomas frequentes de azia, regurgitação, dor no estomago, náuseas e estufamento. “Só o médico poderá fazer uma avaliação minuciosa e solicitar os exames apropriados”, reforça.

Fonte: Folha Web

Fonte: http://www.farmaceuticacuriosa.com/2015/09/habito-de-tomar-medicamento-para-azia.html

Foto: http://aenfermagem.com.br/noticia/omeprazol-pode-causar-demencia/

rivotril

Brasileiros usam cada vez mais remédios de tarja preta

novembro 11th, 2015 Posted by Sem categoria No Comment yet

Em época de crise financeira e escândalos de corrupção, a ameaça de desemprego, a inflação e a descrença no país contribuem para a sensação de mal-estar. Para amenizar a dureza do dia a dia, cada vez mais brasileiros estão recorrendo ao clonazepam — droga da classe das benzodiazepinas cujo nome comercial mais famoso é Rivotril —, que atua na redução do estresse, da ansiedade e da dificuldade para dormir. Segundo levantamento feito pela IMS Health do Brasil, empresa que pesquisa o mercado farmacêutico, as vendas do medicamento no país pularam de 19,8 milhões de caixas, de setembro de 2010 a agosto de 2011, para 23,4 milhões entre setembro de 2014 e agosto deste ano.

Para médicos, o aumento do consumo mostra uma opção errada no enfrentamento do problema. A pílula não é solução para qualquer problema nem resolve conflitos sozinha.

— Os benzodiazepínicos estão na moda. São baratos e realmente dão alívio imediato, mas não são a melhor solução — diz o psiquiatra João Romildo Bueno, diretor tesoureiro da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). — O uso do remédio poderia ser uma opção, não obrigação. A questão é que ninguém tem tempo de tentar outra linha terapêutica.

O uso do clonazepam sem indicação médica pode levar à dependência. A tendência é que, com o passar do tempo, o paciente desenvolva tolerância e aumente progressivamente as doses ingeridas.

 

Fonte: http://www.dikajob.com.br/profiles/blogs/brasileiros-usam-cada-vez-mais-remedios-de-tarja-preta

fitoterapicos

Fitoterápico é remédio e exige cuidado e orientação médica

novembro 6th, 2015 Posted by Sem categoria No Comment yet

Os produtos “ naturais” podem ter efeitos colaterais e podem causar problemas à saúde de quem os usa sem acompanhamento médico

Os medicamentos fitoterápicos estão no dia a dia de consumidores brasileiros. Feitos com princípios ativos de origem vegetal, são vistos como uma alternativa “natural” em comparação a outros produtos. A questão é que o fitoterápico passa por um processo industrial e a própria matéria-prima pode causar alergias e efeitos colaterais em algumas pessoas, como qualquer outro medicamento.

“É preciso ter atenção a essa situação. É comum que as pessoas relacionem o medicamento fitoterápico com medidas caseiras, como tomar um chá para curar dor de estômago”, pondera o Dr. Ayrton de Magistris, doutor em patofisiologia pela Universidade de Boston. É evidente que, assim como os outros produtos, os fitoterápicos também apresentam eficácia. Eles são avaliados com o mesmo rigor que medicamentos sintéticos, e devem apresentar estudos farmacológicos e toxicológicos que provem benefício e segurança.

Na crença popular, muitos acreditam que os medicamentos fitoterápicos são isentos de efeitos colaterais, o que não é verdade. Qualquer substância tem efeitos em seres vivos, independente de sua origem. Esses remédios são substâncias ativas e que podem ser nocivas, como qualquer outra. “Muitas vezes, os efeitos colaterais são os mesmos dos sintéticos, tanto para mais como para menos. Não existe diferença, em nível molecular. Além disso, muitas plantas têm um número de substâncias enorme, de origem questionável e nem sempre purificadas como deviam, o que torna seu efeito ainda mais imprevisível”, observa o especialista.

O uso indiscriminado, sem orientação, pode causar problemas sérios à saúde. Portanto, a orientação é a mesma em comparação aos produtos sintéticos: “sempre consulte um médico antes de ingerir medicamentos, incluindo os fitoterápicos”.

Anvisa recomenda cuidados com expectorantes fitoterápicos

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), órgão responsável pela regulação de medicações no Brasil, tem dado atenção especial aos fitoterápicos. Em recomendação recente, do ano passado, por exemplo, a agência contraindicou o uso do Hedera Helix para menores de dois anos. O xarope a base da planta Hedera Helix é bastante popular entre os consumidores brasileiros.

“Ações como esta da ANVISA são benéficas. Os fitoterápicos devem despertar a mesma atenção. A única diferença está na fonte dos princípios ativos, que é relevante para efeitos colaterais”, comenta o Dr. Ayrton.

 

Fonte: http://www.dikajob.com.br/profiles/blogs/fitoterapico-e-remedio-e-exige-cuidado-e-orientacao-medica

Novembro

Novembro Azul

novembro 3rd, 2015 Posted by Sem categoria No Comment yet

Novembro Azul conscientiza sobre câncer de próstata

Estudo realizado este ano pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU)1 apontou que 51% dos homens nunca consultaram um urologista. Doença mais prevalente nos homens, o câncer de próstata tem estimativa de 69 mil novos casos2 ao ano, ou seja, 7,8 novos casos a cada hora. A doença não tem prevenção, no entanto, seu diagnóstico precoce é essencial para o tratamento curativo. Hoje em dia, é possível até mesmo não retirar o tumor, quando ele é classificado de baixo risco, apenas acompanhar sua evolução, o que é chamado de vigilância ativa.

Para conscientizar a população da importância dos exames anuais a partir dos 50 anos, a Sociedade Brasileira de Urologia e o Instituto Lado a Lado pela Vida realizam o Novembro Azul. A campanha, idealizada pelo Instituto Lado a Lado Pela Vida, tem foco na conscientização do câncer de próstata no Brasil.

Ao longo do mês serão realizadas ações em todos os Estados brasileiros, que contemplam a iluminação de pontos turísticos e monumentos, palestras informativas para leigos, intervenções em locais de grande circulação, além do VIII Fórum de Políticas Públicas e Saúde do Homem, que será realizado no dia 17 de novembro – Dia Nacional de Combate ao Câncer de Próstata – na Câmara dos Deputados, em Brasília.

“Pessoas da raça negra e quem tem familiares de primeiro grau que tiveram a doença devem procurar um urologista para avaliar a necessidade de iniciar seus exames a partir dos 45 anos”, alerta o presidente da SBU, Carlos Corradi. O exame da próstata consiste no toque retal e na dosagem sérica do PSA no sangue.

A realização de exames nessa faixa etária está relacionada à diminuição de cerca de 21% na mortalidade pela doença em estudos de grande porte e longo seguimento.

“O urologista é o profissional médico capaz de diagnosticar e tratar a doença. Por vezes, o auxílio do oncologista e do radioterapeuta é necessário. Na maioria dos casos iniciais, o paciente não tem sintomas e só a avaliação rotineira com o exame de PSA e o toque retal permitem estabelecer a suspeita e prosseguir na investigação”, afirma o diretor de Comunicação da SBU, Carlos Sacomani.

Novidades

Atualmente, ao descobrir-se o câncer de próstata, é possível avaliar sua agressividade. “Nos últimos anos, estudos de imagem realizados em biópsias dos tumores possibilitam individualizar a doença e determinar o melhor tratamento para aquele caso”, afirma Corradi. Ao ser classificado como de baixo risco, pode ser indicado o tratamento de vigilância ativa, metodologia baseada na observação da evolução do quadro sem intervenções terapêuticas quando o câncer é classificado como indolente e o paciente se enquadra em uma série de requisitos.

Até 2010, ao descobrir-se um câncer de próstata em estágio avançado, o tratamento era paliativo. A partir de então começaram a surgir diversos medicamentos que proporcionam sobrevida e uma melhor qualidade de vida ao paciente. “Recentemente chegaram ao Brasil quatro medicamentos que podem prolongar a vida em média de 4 a 6 meses cada um deles. Eles atuam retardando a progressão do tumor”, afirma o coordenador do Departamento de Uro-oncologia da SBU, Lucas Nogueira.

O objetivo do Novembro Azul, no entanto, é diagnosticar casos no início, quando as chances de curam beiram 90%.

Fatores de risco:
 
done-2  Idade (cerca de 62% dos casos são de homens a partir dos 65 anos)
done-2  Histórico familiar
done-2  Raça (maior incidência entre os negros)
done-2  Alimentação inadequada, à base de gordura animal e deficiente em frutas, verduras, legumes e grãos
done-2  Sedentarismo
done-2  Obesidade
 
Sintomas (só aparecem nos casos avançados):
 
done-2  Vontade de urinar com urgência
done-2  Dificuldade para urinar
done-2  Levantar-se várias vezes à noite para ir ao banheiro
done-2  Dor óssea
done-2  Queda do estado geral
done-2  Insuficiência renal
done-2  Dores fortes no corpo

1 Estudo realizado em parceria com a Bayer com 3.200 homens, com mais de 35 anos, em oito cidades brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Curitiba) em julho de 2015.
2 Estimativas para o câncer de próstata 2014 do Instituto Nacional do Câncer (Inca)

Sobre a Sociedade Brasileira de Urologia

A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) é uma associação científica sem fins lucrativos, representativa dos médicos brasileiros especializados em urologia, especialidade clínica e cirúrgica responsável pelo diagnóstico e pelo tratamento das enfermidades do sistema urinário de ambos os sexos e do sistema genital masculino. Realiza campanhas anuais de conscientização do câncer de próstata desde 2004. O urologista é o médico responsável pelo exame da próstata.

A SBU congrega cerca de 5 mil profissionais.

 

Fontes

http://portaldaurologia.org.br/destaques/novembro-azul-2015/

http://www.mundoeducacao.com/datas-comemorativas/novembro-azul.htm